Home
Resultados
Convênios
Fale Conosco
 
 
   
   
 
LABORATÓRIO PROLAB
A empresa
Missão e Valores
Gestão de Qualidade
Unidades de Coletas
DIRETORIA
Nossa Equipe
NOSSAS REDES SOCIAIS
ProLAB no Facebook
SERVIÇOS ESPECIAIS
ProLAB Rápido
SERVIÇOS
Apoio a Laboratórios
Pacerias com Prefeituras
Médicos Solicitantes
Parceria com Empresas
EXAMES
Consulte suas dúvidas
Perguntas Frequentes
REDES DE CONVÊNIOS
Nossos convênios
ESPAÇO SAÚDE
Informativos
LINKS ÚTEIS
Links
Informativo ZIKA

Zika Virus

Laboratório Alvaro

Entenda como o Zika Virus age no organismo e conheça o teste disponível para sua detecção

Exame realizado consiste no isolamento viral por técnica de RT-PCR, tanto no sangue quanto no líquor

Transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti, mesmo transmissor da dengue e da febre chikungunya, o Zika Virus foi descrito pela primeira vez na África, em 1947. Os primeiros casos de transmissão dessa doença foram registrados no Brasil   em abril deste ano, em Camaçari, na Bahia; porém, já foram notificados casos em 18 Estados brasileiros, como Amazonas, Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Maranhã, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Roraima, Rondônia, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins.

“O Zika causa febre, manchas avermelhadas pelo corpo, coceira generalizada e conjuntivite. Pode ainda ocasionar dores de cabeça, articulares e musculares, sintomas esses que duram de três a cinco dias”, afirma Dra. Ligia Pierrotti, infectologista que integra o corpo clínico do Laboratório Alvaro que é parceiro do Laboratório PROLAB nas análises desses exames.        

Ela explica que, em geral, a doença apresenta uma evolução sem grandes complicações. Entretanto, o Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz anunciou a presença de material genético do Zika em amostras do líquido amniótico de duas gestantes na Paraíba, com diagnóstico confirmado de microcefalia. Em seguida, o Ministério      da Saúde confirmou a relação entre vírus e a microcefalia, depois do Instituto Evandro Chagas anunciar a identificação do vírus em amostras de sangue e tecidos de um recém-nascido do estado do Ceará, com microcefalia e outras malformações congênitas.

“A infecção durante a gestação, principalmente durante o primeiro trimestre da gravidez, quando a estrutura do bebê ainda está em formação, pode causar alterações do sistema nervoso central do feto em formação, ocasionando microcefalia e calcificações cerebrais”, destaca Dra. Ligia, lembrando que a transmissão do vírus de mãe para feto se dá através da placenta.

Dr. Alberto Chebabo, infectologista que também integra o corpo clínico do Laboratório parceiro do PROLAB, explica que o exame realizado para detecção é o isolamento viral por técnica de RT-PCR, tanto no sangue quanto em outros materiais clínicos, como líquor, urina e saliva.

O RT-PCR é um exame de Biologia Molecular amplamente utilizado para procurar o genoma de determinados vírus nas amostras coletadas, verificando se há expressão gênica. “Se há uma proteína específica naquela amostra, significa que foi mapeado um RNA específico no resultado - no caso, o RNA do vírus Zika”, explica Dr. Chebabo. O método consiste em multiplicar a quantidade de RNA do vírus na amostra coletada, ou seja, amplificar o material genético do vírus para que seja possível identificá-lo quimicamente. “É um teste de alta complexidade”, reforça o médico.

Casos de microcefalia

O Brasil registra 1.761 casos suspeitos de microcefalia em 422 cidades de 14 estados, conforme o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. Já está comprovada cientificamente a relação entre o Zika Virus e a microcefalia, que é um sinal de que o cérebro não se desenvolveu corretamente dentro do crânio. A medida padrão da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 32 centímetros para a triagem de bebês suspeitos. Com 33, o tamanho do crânio é considerado normal. “As imagens radiológicas do cérebro das crianças afetadas mostravam traços padronizados de calcificações característicos de infecções. Foi encontrado, em seguida, o vírus no líquido amniótico de grávidas e depois nos tecidos e no sangue de uma criança com microcefalia que veio a óbito”, afirma Dr. Heron Werner, ginecologista, obstetra e especialista em Medicina Fetal que também integra o corpo clínico do Laboratório parceiro do PROLAB.

Ele afirma que a microcefalia pode ser detectada durante o Ultrassom realizado no próprio pré-natal, e em casos onde haja dúvida, pode ser realizada uma ressonância magnética para uma melhor averiguação. “Caso a gestante tenha tido infecção por Zika Virus, isso não significa que necessariamente seu bebê desenvolva a microcefalia. No entanto, se isso ocorrer, o bebê sofrerá complicações neurológicas, intelectuais e complicações motoras significativas”, afirma ele.

ATENDIMENTO AO LABORATÓRIO

 77 – 3441-3775

 
 
   

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Copyright 2012 ProLab Análises Clínicas - Todos os direitos reservados